27/02/2009



não busco a palavra exata
o sentido. o sentimento
nem a pedra lançada no firmamento
ventania que represa o rio
entendimento

ou a palavra pela palavra
o sofrimento antigo. o novo
a liberdade selvagem do lobo
instinto que se quer arte
perfeição do ovo

não busco. mas encontro
.

alexandre brito
do inédito Cine ABC

20 comentários:

  1. Lindos! Todos os três. O primeiro, do taifeiro, me emocionou, o da rede me fez sorrir com som e este, da palavra, me fez sorrir com os olhos.

    ResponderExcluir
  2. agradeço por todos os encontrares independentes dos teus procurares, alexandre.

    ResponderExcluir
  3. Amei esse poema da palavra, não me pergunte pq, mas tem tudo a ver comigo.

    ResponderExcluir
  4. Palavra Pele Palavra.
    Beijo com carinho, meu amigo.

    ResponderExcluir
  5. ariane mittidieri2 de março de 2009 17:41

    oi alex..
    na dúvida fico com os três..
    bj

    ResponderExcluir
  6. grato...
    gratíssimo!
    valeu gurias!!
    sigo na lida.
    depurando-os.
    até o cansaço
    ou o prelo.
    bjo.

    ResponderExcluir
  7. Alexandre, muito bom poema! Retoma muitos poetas e sua reflexão sobre a poesia. É hora de "seguir para o prelo". Parece-me que o "Cine ABC" já tem corpo para ser publicado. : )

    ResponderExcluir
  8. Oi querido Alexandre sempre é bom visitar-te e sentir este aroma de criatividade poética e livre.

    Vim não penas de visita, mas pra te dizer que teu blog foi indicado e premiado com uma singela homenagem.

    Espero que fique tão feliz quanto eu fiquei.

    Dê uma passadinha em meu blog pra saber os detalhes.

    ResponderExcluir
  9. afinal
    quê vale mais
    a procura,
    arte da incompletude
    ou
    seu fim
    escatológica arte
    do desconto!

    ResponderExcluir
  10. Poesia de extrema delicadeza
    sonora & formal.
    Segue seu fluxo livre como um rio,
    sem acidentes geográficos.
    Ao fundo, um reflexão sobre o fazer poético.
    Beleza!

    Ricardo Mainieri

    ResponderExcluir
  11. gosto muito desse poema. o modo como vem em ritmo, a concisão que encerra verdade.. "não busco. mas encontro"
    muito bom!

    viva "Cine ABC"!

    ResponderExcluir
  12. Deixei um prêmio pra vc lá no meu blog.^^ No post Blog Prêmios.^^
    beijos

    ResponderExcluir
  13. a estética do ser... a reflexão universal...perfeito!

    ps: já eu não busco...sou um ponto azul e pálido, no firmamento!

    ResponderExcluir
  14. Oi Ale!
    Teus poemas têm uma serenidade que me agrada muito. Este está lindíssimo
    e fala suave. Gostei mesmo, Ale!
    Parabéns, poeta!

    Carinhos

    ResponderExcluir
  15. gente gente gente...
    super obrigado pelos coments.
    beijo de poET.

    ResponderExcluir
  16. Também gostei dos tres..
    Do ovo como com a casca e tudo...
    e a rede me balaçou.adoorei!
    Verão de torrar neuronios mas muito inspirado ,hein?
    beijos Alex

    ResponderExcluir
  17. Lindos seus poemas. Linhas paralelas de estradas, caronas beats.

    Thanks for sharing.

    ResponderExcluir
  18. não procuro
    mas encontro

    ;-)

    maravilha!

    ResponderExcluir
  19. Engraçado... Hj à tarde escrevi algo que dizia:

    "Fujo
    do definitivo
    pouco escrevo
    tomado de
    certezas..."

    E agora, no encontro com o teu poema, parei para pensar. Tem coisas que andam pairando mesmo sobre nossas cabeças.

    Sucesso, cara.
    Abraço do
    Éder.

    E!? [www.ederfogaca.blogspot.com]

    ResponderExcluir